segunda-feira, janeiro 02, 2006

Conto tradicional angolano 1

Os dois caçadores e o leão
(Vimbundos de Caluquembe)

«Eteke limue akongo avali va ka yeva. Va ipa ombambi. Noke va ñualekelã longuli. Umue hati kukuavo: «lia ombambi ame ndi pekela pokati». Ukuavo hati: «Nda tua endele vatatu nda o pekela pokati, puãi tu vavali lika, o pekela ndati pokati?» Ukuavo wa kopa uti unene yu wa pekela pokati kuti lukongo ukuavo. Osimbu ukongo wavali wa lia ombambi onguli yeya yu ya lia ukongo ukuavo. Ukuavo ombambi wa yi lia. Eci kua ca wa enda kimbo. Vo pulísa vati: «ukuene wo sia pi?» Eye hati: «ndo sia momo wa yonguile okupekela pokati. Onguli yo kuata».«Pokuyuvuila ovitangi ka ci telã okulinga tuti: «ndi linga ndeci nda panga!» Ci sukila vo okuyevelela ovisimilo via va kuavo loku tala nda he ci tava ocili okulinga eci tua panga!»

«Dois caçadores foram à caça. Mataram um bambi. Depois encontraram um leão. Um dos caçadores disse: «come o bambi, enquanto eu durmo entre os dois!» O outro respondeu-lhe: «se fossemos três, tu podias dormir «entre dois», mas não somos senão dois, como podes dormir «entre dois?» O primeiro pegou num tronco de árvore que ele estendeu no chão e dormiu entre este tronco e o seu companheiro. Enquanto este último estava comendo a seu bambi, veio o leão e devorou o que estava a dormir perto do tronco. O outro caçador que não tinha sido comido foi-se para a sua aldeia ao nascer do sol. Quando lhe perguntaram: «mas onde está o teu companheiro?» Ele respondeu: «ele quis absolutamente dormir «entre dois», e o leão comeu-o».
Conclusão: «para evitar as dificuldades e triunfar na vida, é preciso saber adaptar-se às circunstâncias, aceitar as recomendações dos outros e não desejar, a todo o custo, o impossível».

In: sítio da Casa de Angola, 2005

Sem comentários: