sexta-feira, novembro 24, 2006

Entre as dunas da cidade

“Mulher sentada”
(Desenho de José Redinha*)


Entre as dunas da cidade*

Leve mulher, vapor de água, colibri suspenso
no céu da minha boca, desde quando
beijas assim a flor selvagem do destino?

Frágil mulher, o mito que despertas
no meu peito abre caminho
rasgando a carne a golpes de paixão

E é essa dor que dói e não consinto
que deus algum venha apaziguar
que faz da tua noite a minha lua

Mmulher de areia, queria ser vento
voar baixinho e levantar tua saia
para arder entre as dunas da cidade.

*José Luís Mendonça*
*(poeta angolano; poema e desenho do livro “Logarítimos da alma, poemas de aMar”

Sem comentários: