quarta-feira, junho 20, 2007

Tal como a chuva

“Dançarina Kilundukila”
(Foto de Adão Marcelino; in: Boletim da Casa de Angola, 2003)

Tal como a chuva*

Tal como a chuva fustiga
O corpo sedento da terra
E penetra de água
Uma gota doce
A densa folhagem
Sobre a aridez oculta

Assim a carne alarmada
Pelos fascínios que excitam os sentidos
Exige
Ávida
Açoites na pele esticada
Do tambor aquecido e seco

Os ouvidos reclamam o rufar
Nos tímpanos
Do odor do barro vivo
Moldado pela química húmida
Ao sabor surdo do pingo
Batendo contra a poeira
E levantando poalha.


Tal como a chuva
Os olhos
Ah! Os olhos
Orbitam rejúbilos incandescentes
Com as promessas de tanto espectáculo
Piscando
Imóveis que mal se vê
E falam


Luanda, Agosto 2006

*Manuel Dionísio*
*(poeta luso-angolano; poema inédito a publicar no seu próximo livro “Palavras como resgate”)

1 comentário:

Menina_marota disse...

Como os pingos mornos
da chuva
no meu corpo quente
sinto
o calor da Terra
o pó
que se entranha
no
meu coração
de SAUDADE...

Luanda a Terra
do meu coração,
que nunca mais
meus olhos
verão...

Um abraço :)