terça-feira, setembro 01, 2009

Presença

"Mulher Bosquimane e filho"
(Pintura de Toia Neuparth; descaradamente ximunada
daqui)

Presença*

E apesar de tudo
ainda sou a mesma!
Livre e esguia,
Filha eterna de quanta rebeldia
Me sagrou.
Mãe-África!
Mãe forte da floresta e do deserto,
ainda sou
a irmã-mulher
de tudo o que em ti vibra,
puro e incerto!

– A dos coqueiros,
de cabeleiras verdes
e corpos arrojados
sobre o azul…
A do dendém
nascendo dos braços das palmeiras…
A do Sol bom, mordendo
o chão das Ingombotas…
A das acácias rubras,
salpicando de sangue as avenidas
longas e floridas…

Sim! Ainda sou a mesma…
– A do amor transbordando
pelos carregadores do cais
suados e confusos,
pelos bairros imundo s e dormentes
(Rua 11… Rua 11…9
pelos negros meninos
de barriga inchada
e olhos fundos…

Sem dores nem alegrias
de tronco nu e corpo musculoso
a raça escreve a prumo,
a força destes dias…

E eu, revendo ainda
e sempre, nela,
aquela,
longa história inconsequente…

Terra!
Minha, eternamente!
Terra das acácias
dos dongos,
dos cólios baloiçando
mansamente… mansamente!...
Terra!
Ainda sou a mesma!
Ainda sou
a que num canto novo,
pura e livre,
me levanto
ao aceno do teu Povo!...

*Alda Lara*
*(poetisa angolana; poema publicado no Jornal de Benguela e transcrito na “Antologia Poética Angolana”, col. Imbondeiro, 1963)

4 comentários:

Gatto999 disse...

Great !...

Ciao from Italy
=^.^=

Moacy Cirne disse...

Oi,
tomei a liberdade de publicar um dos poemas divulgados por você no Balaio Porreta, blogue sob a minha responsabilidade.
Abraços.

Jamour disse...

Caro autor.
Eu nao sou poeta sou amante das palavras, elas dentro de mim, respiram amor, respiram revolta, o odio, ficou do outro da rua. Vim ate aqui para lhe congratular e fazer-lhe um convite de vir ate ao meu blog, eu sou filho de Angola, dos musseques, da terra batita.
Abraco

MESU MA JIKUKA disse...

Vim agradecer o elogio e encorajamento deixados no meu mesumajikuka (olhosatentos).
Estou tb me deleitanbdo de seus aprazíveis versos.
Bem haja!