terça-feira, novembro 04, 2008

Resistência

"Sem Título"
(Foto “Tonspi;
daqui)

Resistência*

Do Negage à Portela
Pérola Quicongo à beira Tejo
Bairro da lata de Areeiro
Musseque dos espoliados em Lisboa

Negra sozinha na noite
Embrenhada no escuro dos escorraçados
Avenida abaixo, calçada arriba
Olhos tristes, paisagem do desconforto

Como quem persegue a luz
Borboleta africana, perseverante
Paciente e desesperada, luta, desarmada
Na garganta um nó
Mas, ainda assim, sorri…
Mostra alvos os olhos
E os dentes…
Da boca carnuda, belíssima…
Negra esbelta, triste
E contente
Só porque está viva
E seduz…

Que linda que ela vai
Anda prenha a negra do Congo
Veio de tão longe parir em Lisboa
Um filho da noite no musseque do Areeiro…
.
*Luís Urgais*
*(poeta português; da obra “Trinta e três poemas inteiros” cedido à Casa de Angola)