terça-feira, janeiro 01, 2013

Angola (não) tem poetas?


(Poesia)
(Imagem da Internet)

Angola (não) tem poetas?*

As minhas crianças de barriga vazia
passam ao lado de todos os natais,
esquecidas pelos que fazem poesia
para ser cantada nos seus funerais.

Os abutres do regime lá comem tudo,
esquecem que o povo morre à fome.
O poeta, esse mantém-se bem mudo
e tem como musa aquilo que come.

Na frente de um prato de lagosta cheio
nunca vê a fome que ao seu lado toca,
e por isso permanece absorto e alheio
aos que, ao lado, só comem mandioca.

O poeta é hoje apenas um mercenário
ao serviço do dono que o povo trama,
assume-se como um reles e ordinário,
escravo que chupa em qualquer mama.

Curva-se, aceita e amplia a ordem dada,
lambe sempre as botas do novo patrão.
Arrota, pois claro!, postas de pescada,
abomina de peito cheio o prato de pirão.

Cumpre ordens do dono e nada o abala
nessa sofreguidão de ter a barriga cheia.
Atirá-los, a todos, do alto da Tundavala
ainda seria pouco para uma tal alcateia.

Já não se lembram dos 30 angolares,
e trocaram o peixe podre por caviar.
Agora a colonial porrada se refilares
é para o Povo que querem escravizar.

*Orlando Castro*
*(jornalista, poeta e ensaísta angolano; Dezembro 2012)

1 comentário:

Anónimo disse...

Foge, João


Ó João,
foge, rapaz,
porque o Bolha é muito capaz
de atribuir-te o prémio
do pasquim oficial de informação,
como destacado capataz
do Grande Patrão,
o que seria uma enorme humilhação
porque toda a população
saberia da tua actividade intelectual.
Foge, João,
porque tu és um bastante elástico
canhão do Reigime Feudal
da Cabritagem.
Tem força e coragem,
foge, João.
No outro dia ouvi-te dizer, a enorme bobagem,
que defendes reformas de socialismo democrático
balizadas pelo ideal do teu partido vigarista,
Marxista-Leninista
de capitalismo selvagem.
Essa é uma boa citação
para ser usada na cerimónia de atribuição
do prémio do pasquim da bajulação.
Foge, João,
para não seres ainda mais humilhado.
O Bolha e o Bolor podem comprometer-te
e escolher-te
para seres contemplado
com o prémio do pasquim oficial da corrupção.
Tu sabes que isso não dá boa imagem
a um cidadão.
Foge, João,
vai fazer uma viagem,
pode ser para o Patetistão
porque, se for esse o destino escolhido,
talvez passes um pouco mais despercebido.
Foge, João,
enquanto é tempo e tens força
porque esse prémio provoca uma enorme mossa.

António Kaquarta