segunda-feira, dezembro 04, 2006

Eterna sentinela

"Cosmogonia do Imbondeiro"
(Tela de Filomena Conquenão, 1989,
daqui)


Eterna sentinela*

Abandonado e só,
o Imbomdeiro,
figura milenária do sertão,
tem a dolorosa expressão
de quem foi condenado
por toda a vida
a sofrer na costa de África
o seu destino maldito.

Não conhece os milagres do amor,
e junto a si jamais teve o carinho
ou a ternura saudável
da mais humilde flor.

Imbondeiro desgraçado,
filósofo triste e pensativo,
filósofo da paisagem,
mártir e santo que alguém tivesse encontrado
no inferno de Dante
e conduzisse a este sol abrasador:

- Tu és a estátua gigante
da minha dor!

*Tomaz Vieira da Cruz*
*(poeta luso-angolano; poema da obra Quissange, ed. Lello, 1971)

Sem comentários: