quarta-feira, janeiro 11, 2006

Negro-Rubra

"Flamingos"
poderiam estar algures na Caponte

Negro-rubra*

Que águas desassossegadas
se tragam
e se degustam.
Sejam as do Bengo e as do Catumbela,
do Cunene ou do Cubango,
do Cuanza ou as do Cassai,
do Congo, Cuito ou do Cuango
não há como fugir delas.
São prenhes,
adulantes
e macumbeiras.
Venham a singular gazela
e o soberbo elefante;
jornadeiam-nas a esbelta gaivina,
e o aristocrático leão,
mais a palanca galharda
e o dongo pescador.
Sejam rubra a determinação,
ornitológica dourada, a vontade
ou negra, a forma;
não há cuidados,
não há, dissimulação;
só transparências,
e naturalidade;
só mar,
terra,
ar,
só um povo:
Angola.
*Lobitino Almeida N’gola
Lisboa, 2 de Outubro de 2005

Sem comentários: