quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Calumba que um dia

"Esboço de Paisagem Africana"
(Tela de
Rodrigo Diniz)
.
Calumba que um dia*


Aonde andará a moeda de pés de pó de talco
que um dia perdi na minha infância
os meus aviões de papel loucamente enfeitiçados
sobrevoando o teu riso libelinha
os chingufos de carne vibrando de poentes
aves ocultas no fogo de uma asa sem vento

Aonde andará a bicicleta de gelo a buganvília
que um dia beijou
minha alma de papel ao sol dos teus olhos
calumba que um dia


*José Luís Mendonça*
*(poeta angolano; poema do livro “Logarítimos da alma, poemas de aMar”

Sem comentários: